???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://localhost:8080/tede/handle/tede/361
Tipo do documento: Tese
Título: Pescadores artesanais e violência na Baía de Guanabara
Autor: Ferreira, Cesar Bernardo
Primeiro orientador: Puggian, Cleonice
Primeiro membro da banca: Puggian, Cleonice
Segundo membro da banca: Oliveira, Rosane Cristina
Terceiro membro da banca: Silva, Cátia Antônia da
Quarto membro da banca: Almeida, Juniele Rabêlo de
Quinto membro da banca: Rauâno, Sebastião Fernandes
Resumo: Esta tese apresenta um estudo qualitativo, de base etnográfica, sobre os casos de violência relatados por pescadores artesanais durante o exercício do seu trabalho na baía de Guanabara, Rio de Janeiro. O objetivo geral foi investigar como a violência interfere no trabalho do pescador artesanal, buscando caracterizar os casos de violência; identificar os sujeitos, tempos e espaços envolvidos nestes casos; e estabelecer conexões entre os casos de violência, o modelo econômico vigente e as políticas públicas para a baía de Guanabara. A amostra foi construída por meio da metodologia conhecida como “bola de neve”, iniciando com os líderes das colônias. Os instrumentos para coleta de dados foram observação participante e entrevistas semiestruturadas. Entrevistamos 20 pescadores artesanais, sendo dois da Colônia Z-8, cinco da Z-9, quatro da Z-10, quatro da Z-11, dois da Associação de Pescadores de Tubiacanga, dois pescadores sem afiliação e um representante da FEPERJ. Observações foram registradas em caderno de campo e entrevistas gravadas em áudio e transcritas. A análise dos dados ocorreu por meio de um processo de tematização. Resultados indicam que os casos de violência relatados estão fortemente relacionados ao avanço das atividades econômicas sobre os locais de pesca e coleta tradicionalmente utilizados pelos pescadores. Ocorre uma desterritorialização quando esses trabalhadores são forçados a alterar suas práticas cotidianas em virtude dos interesses do Estado e agentes do capital. Notamos a existência de uma multiterritorialidade, de configuração complexa, onde estão inseridos os pescadores artesanais, a Marinha do Brasil, as indústrias petroquímicas e demais organizações e indivíduos que atuam na baía de Guanabara, tanto no entorno como no espelho d’água, cujas relações são marcadas por conflitos, que muitas vezes resultam na morte física do pescador. Argumentamos que os pescadores artesanais da baía de Guanabara sofrem uma violência bioétnica, cujas consequências vão desde a aniquilação dos ecossistemas até o epistemicídio dos grupos étnicos aos quais pertencem, incluindo diversas formas de aniquilação cultural, laboral e existencial desses homens e mulheres. A pesquisa indica que o avanço das atividades capitalistas e a crescente metropolização subjazem a violência bioétnica na baía de Guanabara, que inclui a poluição das águas, desaparecimento do pescado, modificações de hábitos, xingamentos, disparos com bala de borracha e fuzil, assassinatos, invisibilidade social, dentre outros atos contra o pescador e seu território. Concluímos que apesar dos casos de violência, os pescadores lutam pelo direito de viver e trabalhar de acordo com suas tradições. Apesar da violência, continuam sendo vistos entre embarcações offshore, estaleiros, polos petroquímicos e manchas de poluentes que flutuam sobre o espelho d’água da Guanabara. Perseveram pela garantia do direito ao trabalho e à vida.
Abstract: This thesis presents a qualitative ethnographic study on the cases of violence reported by artisanal fishermen during their work in Guanabara Bay, Rio de Janeiro. The general objective was to investigate how violence interferes in the work of the artisanal fisherman, seeking to characterize the cases of violence; identify the subjects, times and spaces involved in these cases; and to establish connections between the cases of violence, the current economic model and the public policies for Guanabara Bay. The sample was constructed using the methodology known as "snowball", starting with the leaders of the colonies. The instruments for data collection were participant observation and semi-structured interviews. We interviewed 20 artisanal fishermen, two from the Z-8 Colony, five from the Z-9, four from the Z-10, four from the Z-11, two from the Fishermen's Association of Tubiacanga, two fishers without affiliation and a representative from FEPERJ. Observations were recorded in field notes and interviews recorded in audio and transcribed. The analysis of the data occurred through a thematization process. Results indicate that the reported cases of violence are strongly related to the advance of economic activities on the fishing sites and collection traditionally used by fishermen. A deterritorialization occurs when these workers are forced to change their daily practices by virtue of the interests of the state and agents of the capital. We have noticed the existence of a multiterritoriality, of complex configuration, where artisanal fishermen, the Brazilian Navy, the petrochemical industries and other organizations and individuals working in Guanabara Bay, both in the surroundings and in the mirror of water, are marked by conflicts, which often result in the physical death of the fisherman. We argue that artisanal fishermen in Guanabara Bay suffer from bioethnic violence, ranging from the annihilation of ecosystems to the epistemicity of the ethnic groups to which they belong, including various forms of cultural, labor and existential annihilation of these men and women. Research indicates that the advance of capitalist activities and increasing metropolization underlies bioethnic violence in Guanabara Bay, which includes water pollution, fish disappearance, habit changes, name-calling, bullet-shooting, assassination, social invisibility, among other acts against the fisherman and its territory. We conclude that despite these cases of violence, fishermen fight for the right to live and work according to their traditions. Despite the violence, they continue to be seen among offshore vessels, shipyards, petrochemical poles and pollutant patches floating on the Guanabara water mirror. They persevere in guaranteeing their right to work and to life.
Palavras-chave: Educação
Pescadores – Guanabara, Baía de (RJ)
Pesca artesanal
Guanabara, Baía de (RJ) – Condições ambientais
Violência
Área(s) do CNPq: EDUCAÇÃO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade do Grande Rio
Sigla da instituição: UNIGRANRIO
Departamento: Unigranrio::Letras e Ciências Humanas
Programa: Programa de Pós-Graduação em Letras e Ciências Humanas
Citação: FERREIRA, Cesar Bernardo. Pescadores artesanais e violência na Baía de Guanabara. 2018. 215 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Culturas e Artes) - Universidade do Grande Rio, Duque de Caxias, 2018.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://localhost:8080/tede/handle/tede/361
Data de defesa: 17-Jan-2019
Appears in Collections:Coleção de Pós-Graduação em Letras e Ciências Humanas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Cesar Bernardo Ferreira.pdfCompleto4,13 MBAdobe PDFDownload/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons